Marcadores

Android (74) CES 2014 (43) notícias (721) Tutoriais (31) Você Sabia? (44)

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Veja como os ícones do iOS podem ficar em uma tela maior

Resolução do novo iPhone manteria mesma densidade de ícones e permitiria nova linha de ícones na tela inicial do aparelho

Veja como os ícones do iOS podem ficar em uma tela maior                                            (Fonte da imagem: Reprodução/MacRumors)

Enquanto a Apple ainda não confirmou que o próximo iPhone contará com uma tela maior, o analista Ming-Chi Kuo (conhecido por acertar detalhes sobre produtos da companhia ainda não lançados) revelou nesta semana que o iPhone 6 deve contar com uma tela Retina display de 4,7 polegadas com a resolução incomum de 1334x750.

De acordo com o site MacRumors, apesar de não aparecer em outros fabricantes, a nova resolução permitiria ama transição fácil para uma tela maior por parte dos desenvolvedores. De acordo com o site, uma tela de 4,7 polegadas na nova resolução manteria exatamente a mesma densidade de pixels do iPhone 5S de 326 ppi.

Com isso, todos os elementos da interface, como os ícones, teriam o mesmo tamanho ao mesmo tempo em que há mais espaço de tela. Além disso, segundo a publicação, a nova resolução também permitiria também que a Apple insira uma sexta linha de ícones na tela do aparelho, como mostra o modelo no início do texto. 
Fonte: MacRumors

Detalhes e fotos do Xperia Z2 Compact surgem na web

Smartphone é muito semelhante ao modelo maior e vem com câmera de 20,7 megapixels

Detalhes e fotos do Xperia Z2 Compact surgem na web (Fonte da imagem: Reprodução/SlashGear)
 
O Xperia Z2 ainda não foi lançado oficialmente e parece que a Sony já está planejando fazer uma versão menor do dispositivo. Pelo menos é o que indicam as últimas imagens e especificações que estão circulando na internet.

De acordo com os detalhes postados pelo SlashGear, o Xperia Z2 Compact  será muito parecido com o modelo maior, trazendo uma configuração de hardware robusta e detalhes visuais que deixam os dispositivos muito semelhantes.

A parte traseira do gadget menor parece ser de vidro ou de um material bem liso (mas ainda não é possível afirmar com certeza). Em teoria, o Xperia Z2 Compact é totalmente à prova d’água. As notícias relatam que o hardware deve ser o seguinte:
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 400
  • Display: 1080p
  • Armazenamento: espaço para cartão microSD de até 128 GB
  • Câmera: 20,7 MP (principal) com flash de LED
  • Extra: tecnologia NFC
Detalhes e fotos do Xperia Z2 Compact surgem na web (Fonte da imagem: Reprodução/SlashGear)
 
Outros detalhes sobre a configuração de hardware não foram divulgados. É importante notar que a Sony nem mesmo confirmou a existência do produto, portanto ainda não é possível confiar em todas essas informações. O que você acha de um Z2 tem tamanho miniatura? Você compraria?


Fonte: SlashGear

 

Novo recurso do Facebook mostra amigos que estão próximos de você

Novidade apresenta apenas amigos que habilitaram a função




Novo recurso do Facebook mostra amigos que estão próximos de você
O Facebook anunciou um novo recurso que permite visualizar amigos que estão próximos a você. A novidade, no entanto, não será ativada por padrão, sendo necessário que os interessados em ativá-la antes poder começar a utilizá-la. Ao mesmo tempo, será possível encontrar apenas amigos que também habilitaram a nova função – uma maneira cuidadosa da rede social de preservar a privacidade de seus usuários.

Quem ativar o novo recurso pode compartilhar com seus amigos o local em que estiverem juntamente com um período de tempo – como as duas horas que você pretende passar em um determinado bar, por exemplo. Ao mesmo tempo, o recurso também pode compartilhar os locais para os quais os usuários vão viajar, permitindo que seus amigos que conheçam a região possam recomendar algum programa ou pedir um cartão postal.

O novo recurso começa a ser disponibilizado no aplicativo do Facebook para Android e iOS de usuários dos Estados Unidos a partir das próximas semanas.
Fonte: Facebook

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Project Tango: smartphone da Google é desmontado e tem hardware revelado

Aparelho ainda em desenvolvimento foi desmontado pelo iFixit. Confira o que esperar do promissor dispositivo
Project Tango: smartphone da Google é desmontado e tem hardware revelado(Fonte da imagem: Reprodução/iFixit)

Você se lembra do Project Tango, anunciado pela Google pouco menos de dois meses atrás? Se antes estávamos limitados a imaginar o que esperar do aparelho através de um vídeo, agora temos a chance de entender o que esse dispositivo deve guardar nos mínimos detalhes.

Tudo isso porque a gigante de Mountain View deixou que o site iFixit desmontasse o smartphone para entender cada componente que há dentro dele. O resultado é bastante impressionante — em primeiro lugar porque o smartphone vem com um hardware capaz de fazer frente com praticamente qualquer modelo de alto desempenho no mercado.

Se você duvida, aqui está a prova: além de um potente processador Snapdragon 800, o aparelho conta com uma memória de 2 GB RAM, tem 64 GB de armazenamento interno. Para completar, o Project Tango ainda possui uma bateria de incríveis 3.000 mAh – esta provavelmente necessária para manter o funcionamento do rastreador 3D sem diminuir a “vida” do aparelho.

Project Tango: smartphone da Google é desmontado e tem hardware reveladoProject Tango, antes de ser desmontado (Fonte da imagem: Reprodução/iFixit)

Mas o que certamente mais impressionou no aparelho foi sua facilidade de reparo. Uma vez que praticamente todas as peças podem ser substituídas (com exceção do motor vibratório e das portas USB) e o processo de abrir o smartphone consiste apenas em soltar alguns parafusos, o dispositivo recebeu um 9 de 10 pontos na escala de reparabilidade.

Especificações técnicas


Apesar de a Google ter se mantido calada quanto às especificações do Project Tango, ter a chance de desmontar o aparelho permitiu que o iFixit descobrisse boa parte do hardware do smartphone. Veja logo abaixo:

  • Tela: LCD de 5 polegadas
  • Sistema operacional: Android
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 800 quad-core de 2,3 GHz
  • Memória RAM: 2 GB LPDDR3
  • Armazenamento interno: 64 GB
  • Armazenamento externo: cartões micro SD
  • Câmera traseira: 4 MP com sensor infravermelho para percepção de profundidade e campo de visão de 180°
  • Conectividade: porta micro USB, porta mini USB, porta micro USB 3.0
  • Recursos exclusivos: acelerômetro/bússola/giroscópio de 9 eixos
  • Bateria: 3.000 mAh

Entendendo o mapeamento 3D


Está curioso para ver como funciona o sistema de mapeamento do Project Tango? Infelizmente, a Google não permitiu que o smartphone fosse ligado para termos uma ideia de como tudo vai ser no novo aparelho; isso não impediu o iFixit, entretanto, de arranjar seus meios para testar a câmera do celular.

Project Tango: smartphone da Google é desmontado e tem hardware revelado (Fonte da imagem: Reprodução/iFixit)

Usando a câmera infravermelha, o grupo foi capaz de modificar o dispositivo de forma a torná-lo um projetor. Isso mostrou que o detector de profundidade age de maneira semelhante ao Kinect para identificar movimentos, projetando milhares de pontos minúsculos na parede e analisando o tamanho dos pontos de luz para calcular a distância dos objetos no cenário.
Por fim, é preciso frisar que o Project Tango se trata de um aparelho ainda em desenvolvimento. Logo, muito dele pode mudar até sua versão final – seja no design, no hardware ou na estrutura interna. Bem, vamos torcer para que, se isso acontecer, as alterações sejam apenas para melhor

.
Fonte: iFixit

Rumor: Vaza foto com a parte frontal do iPhone 6

Peça mostra que tela terá aproximadamente 4,7 polegadas, mas que design do smartphone deve continuar o mesmo


Vaza foto com a parte frontal do iPhone 6 [rumor]

Mal tivemos o vazamento do molde e dos diagramas técnicos do suposto iPhone 6 e novas informações aparecem – dessa vez, fotos do que seria a parte frontal do smartphone, segundo o Phone Arena.

Se as imagens forem verdadeiras, a parte frontal do iPhone 6 terá como incrível novidade... Nada. Sim, a peça vazada de uma fábrica chinesa mostraria exatamente o mesmo design dos iPhones atuais – isso, é claro, desconsiderando o tamanho da tela, que parece ter 4,7 polegadas, usando o iPhone 5 da imagem em comparação.

Como sempre, é preciso lembrar que estamos tratando de um rumor, por mais que a foto se encaixe com os rumores dos diferentes modelos de iPhone. Seja como for, fica a certeza: caso a foto mostre o verdadeiro smartphone da Apple, os investidores da empresa não vão ficar nada satisfeitos.

Fonte: Phone Arena

Rumor: Será esse o design do novo LG G3 e do Nexus 6?

Vazamento de aparelho exclusivo para o Japão nos dá indícios do que esperar na nova aparência dos dois principais aparelhos da LG
Será esse o design do novo LG G3 e do Nexus 6? [rumor](Fonte da imagem: Reprodução/Twitter)
O pessoal do evleaks acaba de trazer mais um vazamento curioso da LG. Trata-se do LG isai FL, um smartphone exclusivo do Japão que está para ganhar uma nova versão.

Está bem, mas o que há de importante em um aparelho que nem mesmo vai dar as caras por aqui? Bem, analisando seu design é bem possível que estejamos vendo a aparência do futuro LG G3 ou mesmo do Nexus 6. Como você pode ver nas imagens, o smartphone traz praticamente o mesmo design básico do Nexus 5, com uma carcaça bem menos curvada e botões mais discretos – que, aliás, ficam posicionados da mesma maneira que no LG G2.

Será esse o design do novo LG G3 e do Nexus 6? [rumor]                                                  (Fonte da imagem: Reprodução/Twitter)

Infelizmente, não há como fazer muito mais do que simplesmente especular por aqui: mesmo que o vazamento seja verdadeiro, não seria uma surpresa se a LG trouxesse designs completamente diferentes para o LG G3 ou o Nexus 6. Ao menos saberemos a verdade sobre o primeiro deles em um futuro não tão distante, já que o G3 deve ser revelado em junho.

Por que a NVIDIA ficou de fora da nova geração de consoles?

Será que a NVIDIA dormiu no ponto e foi passada para trás pela concorrência ou ela preferiu ficar de fora do mercado de consoles por opção própria?

Por que a NVIDIA ficou de fora da nova geração de consoles?

A nova geração de consoles já chegou ao mercado há algum tempo. PlayStation 4, Xbox One e Wii U já estão estabelecidos e fazendo crescer suas bibliotecas de jogos. Mas o que esses dispositivos têm em comum? Simples: dentro de cada uma dessas máquinas bate um coração AMD.

Em sua sede localizada em Austin, no Texas, a AMD tem um local especial em que ela exibe diversos de seus produtos. Lá, ela mostra com orgulho as quatro plataformas de entretenimento em que está presente: os três consoles e o PC.

Para a AMD, não existe concorrência no mercado de video games. Enquanto uns brigam pelo PlayStation 4, outros preferem o Xbox ONE ou o WII U. Já a AMD comemora: não importa qual seja a escolha dos consumidores, de uma forma ou outra eles estarão levando para casa um aparelho, em parte, AMD.

Por que a NVIDIA ficou de fora da nova geração de consoles?Em sua sede, AMD exibe com orgulho as plataformas em que está presente. 

Mas isso nos leva a uma questão fundamental, que deve ter atormentado muita gente: por que a NVIDIA ficou de fora dessa geração de consoles? A empresa esteve presente no primeiro Xbox e no PlayStation 3, logo, não era de se esperar que ela abrisse mão de todas as plataformas desta geração.

Tentar descobrir o que aconteceu não é uma tarefa fácil, já que esse tipo de informação é confidencial e nenhuma das partes nunca se pronunciou a respeito. Entretanto, muitas versões da história surgiram pela internet e sempre é possível especular sobre o motivo do ocorrido: basta juntar algumas peças do quebra-cabeça para tentar desvendar parte deste mistério.

Falta de tecnologia


Muita gente julga que a NVIDIA poderia não ter tecnologia suficiente para fornecer os chips para os novos consoles, por isso acabou sendo vencida pela AMD. A teoria vem de que tanto Microsoft quanto Sony buscavam soluções integradas para diminuir os custos e a NVIDIA poderia fornecer apenas chips gráficos, como fez no Xbox e no PlayStation 3.
Isso não é verdade, uma vez que a NVIDIA já desenvolve seus chipsets integrados há um bom tempo. A linha Tegra teve um começo mais modesto, mas aos poucos vem ganhando espaço junto aos fabricantes de dispositivos móveis.
Por que a NVIDIA ficou de fora da nova geração de consoles? 
Basta olhar para o SHIELD, o console desenvolvido pela própria NVIDIA. Recentemente, ainda, ela anunciou o Tegra K1, a nova geração que deve trazer a arquitetura Kepler — a mesma que fez muito sucesso nos desktops — para o mercado portátil.
Com isso é possível imaginar que, pelo menos em termos de tecnologia, a NVIDIA é perfeitamente capaz de fornecer equipamento para os consoles. Já pensou se a empresa tivesse lançado um chip Tegra turbinado para algum video game?

Margem de contribuição


É indiscutível o fato de que as empresas que conseguem atrelar o seu nome aos consoles conseguem uma boa visibilidade. A partir do momento em que o público toma conhecimento do fato, aquele produto passa a ser uma vitrine para a marca. Entretanto, é preciso equilibrar as coisas, e nem sempre ter o nome exposto é suficiente para pagar as contas.

O que ajuda a agravar um pouco os fatos é que, enquanto a fabricante do console recebe royalties com o lançamento dos jogos, a empresa que fornece os chips não recebe um centavo além do preço pago pelos componentes.
Segundo informações levantadas pelo site ExtremeTech, a renda da NVIDIA com os chips fornecidos para o primeiro Xbox no ano fiscal de 2003 foi de US$ 400 milhões, ou seja, cerca de 23% do seu faturamento total, que foi de US$ 1,9 bilhão no período. No total, o primeiro Xbox vendeu 24 milhões de unidades, ou seja, o lucro da NVIDIA foi muito maior que US$ 400 milhões se forem contabilizados todos os anos em que o console foi fabricado, mesmo que depois de um tempo a Microsoft tenha passado a pagar menos pelos chips da NVIDIA.
Por que a NVIDIA ficou de fora da nova geração de consoles?O primeiro Xbox trazia uma GPU NVIDIA. (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia)

Já no caso da Sony e do PlayStation 3, a figura muda um pouco. Em janeiro de 2011, o CEO da NVIDIA, Jen-Hsun Huang revelou que o acordo com a Sony rendeu à empresa cerca de US$ 500 milhões em royalties desde 2004, sendo que o número total de consoles vendidos no período foi de aproximadamente 50 milhões de unidades. Isso significa que a Sony estava pagando muito menos que a Microsoft pelos chips gráficos.

Com isso, a NVIDIA pode ter começado a imaginar que talvez não fosse mais um negócio tão rentável desenvolver chips para os consoles e tenha preferido focar os seus esforços de desenvolvimento e áreas mais lucrativas. Afinal de contas, a marca NVIDIA já é bastante conhecida e estabelecida no mercado de jogos. Investir nos consoles apenas pela “vitrine” pode não ter atraído a fabricante.

Preço subsidiado


Quando os consoles chegam ao mercado, eles têm um preço relativamente baixo — muitas vezes menor do que o próprio custo de fabricação. As fabricantes oferecem esse subsídio para aumentar a base instalada e, em pouco tempo, começar a ganhar com royalties dos jogos comercializados. É um negócio arriscado, mas que por enquanto tem funcionado. Ou não?

Quando PlayStation 3 e Xbox 360 chegaram ao mercado, foi um momento decisivo tanto para a Sony quanto para a Microsoft. As duas precisaram brigar com todas as armas que tinham à disposição, já que ambas perdiam somas consideráveis por cada console vendido. A situação da Sony era ainda pior: mesmo que o PS3 tenha chegado ao mercado custando mais que o Xbox 360, o prejuízo da empresa ultrapassava a casa dos três dígitos.
No final da geração, o prejuízo da Sony com o PlayStation 3 foi de U$ 4,5 bilhões. Já a Microsoft perdeu “apenas” US$ 2,6 bilhões. Isso tudo se deve ao alto investimento no desenvolvimento das plataformas. O problema, no caso da Sony, é que a companhia perdeu quase o dobro que a concorrente, apenas para ter um resultado parecido no final das contas. O PlayStation 3 não teve um vitória esmagadora sobre o Xbox 360 como a empresa — arrogantemente — afirmou que aconteceria no lançamento do aparelho.

Por que a NVIDIA ficou de fora da nova geração de consoles?                                           PS3: caro para produzir. (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia)

O problema foi que o PlayStation 3 era muito caro para ser produzido. A primeira versão do console trazia o hardware de um PS2 em seu interior (para garantir a retrocompatibilidade), com peças que foram descartadas nas revisões seguintes para reduzir o custo.

Além disso, o console trazia o Cell, um processador personalizado e caro para ser produzido, além de tecnologia wireless e, é claro, o drive de Blu-ray. Tudo isso inflou demais o preço de produção do PS3 no início. A Sony esperava o mesmo sucesso do PlayStation 2, o que não aconteceu.

Nova geração: melhor planejamento


Depois da verdadeira carnificina que foi a geração anterior, tanto Microsoft quanto Sony se prepararam melhor para deixar seus projetos mais “enxutos”.

Uma das diretrizes das companhias foi diminuir o custo com o hardware para poder “perder menos” com cada console vendido. Sendo assim, é provável que nenhuma das duas quisesse pagar o preço que a NVIDIA estava pedindo pelo hardware.

Por outro lado, a AMD precisava fechar essa parceria para fortalecer o seu negócio de SoCs (System on a Chip) e possivelmente aceitou vender o hardware muito mais barato que a sua concorrente.

A AMD vem investindo pesado no novo mercado de processadores tudo em um e, segundo o CEO da companhia, a intenção é que esse mercado seja responsável por grande parte da renda da empresa, uma vez que o mercado de PCs já não é mais tão lucrativo quanto foi um dia.

Nesse ponto, a estratégia com os consoles é inteligente: fornecer os chips para todas as plataformas serve tanto para ganhar dinheiro (mesmo que a margem seja pequena) quanto para mostrar ao mundo que a AMD tem competência para fornecer os SoCs para praticamente qualquer equipamento.

E os negócios vão muito bem para a AMD. Se a margem de lucro obtida com a venda de cada unidade é baixa, a empresa certamente está ganhando muito em volume.

Segundo um relatório apresentado no início do ano pelo CEO Rory Read, a venda de chips para consoles já é parte importante da renda da companhia. Além disso, a propaganda serviu para mostrar que a AMD é perfeitamente capaz de suprir a demanda por chips personalizados para qualquer tipo de mercado.

A NVIDIA errou?


Arriscar um palpite desses é perigoso, pois não temos dados suficientes para saber qual é a estratégia da NVIDIA a médio e longo prazo. Uma coisa é certa: ela poderia ter aproveitado a oportunidade para introduzir os aceleradores Tegra nos consoles — dessa forma, poderíamos ter um console NVIDIA e um AMD, ou todos NVIDIA, quem sabe? 

Também existe a possibilidade de a oferta feita pela AMD para as fabricantes de consoles ter sido imbatível para a NVIDIA, algo que fugiu ao seu controle.

Por outro lado, a companhia escolheu desenvolver o seu próprio console — sabemos ele que não é um concorrente direto do PS4, XONE e Wii U, mas essa manobra pode ter tido origem na negociação com as empresas. Sabemos que isso não é novidade, pois o próprio PlayStation é fruto de um acordo com a Nintendo que não foi para frente.

Em termos financeiros, as contas da NVIDIA vão bem. A empresa fechou o quarto trimestre fiscal de 2014 (que terminou em 26 de janeiro de 2014) com um lucro de US$ 1,14 bilhão, cerca de 8,6% a mais que no período anterior; já o ano fiscal de 2014 terminou com um lucro de US$ 4,13 bilhões.

Entre os principais aspectos responsáveis por isso foi o aumento da venda de GPUs da série GeForce GTX, que cresceu cerca de 50% em relação ao mesmo período do ano anterior. Além disso, a empresa anunciou a entrada no ramo automotivo e um novo chipsets móvel: o Tegra K1, baseado na arquitetura Kepler, a mesma das GPUs.

Por que a NVIDIA ficou de fora da nova geração de consoles?                                      (Fonte da imagem: Divulgação/NVIDIA)

A NVIDIA busca firmar cada vez mais o seu nome como fabricante de hardware para gráficos, seja qual for a plataforma. A companhia possui uma boa fatia do mercado de hardware para PCs e recentemente anunciou a entrada no desenvolvimento de equipamentos para veículos, além, é claro, do alto investimento nas plataformas móveis.
.....
No final das contas, apesar de concorrentes em alguns setores, AMD e NVIDIA são empresas diferentes, com estratégias diferentes. Nem sempre o que é bom para uma é necessariamente o correto para a outra.

O que podemos concluir com isso é que as duas parecem estar realizando movimentos acertados, afinal de contas o dinheiro está entrando. E, como sempre, é preciso lembrar que a concorrência é ótima para o mercado e quem ganha sempre somos nós. E isso a NVIDIA sabe muito bem, tanto que não deixa de alfinetar a concorrente, afirmando que o PC é superior a qualquer console.






Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar?

Site compara as duas câmeras com as maiores resoluções do Android em diversas situações ao ar livre e em ambientes fechados


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar?









O Xperia Z2 e o Galaxy S5 trazem atualmente as câmeras com maior resolução do Android — 20 megapixels e 16 megapixels, respectivamente. Ambos os smartphones também utilizam em seus sensores pixels menores do que 1,1 mícron — embora esse elemento básico seja um pouco maior no Z2, a fim de acomodar a resolução maior. Mas, na hora do “vamos ver”, quem realmente leva a melhor: a Samsung ou a Sony?

Foi exatamente isso o que o site Phone Arena tentou ilustrar em uma galeria de fotos recentemente publicada. Embora não arrisque juízos de valor escancarados — como faz qualquer veículo devidamente vacinado contra fanboys, vale dizer —, o site destaca algumas diferenças óbvias entre as câmeras quando se trata de ambientes com baixa luminosidade. Confira as imagens abaixo.

Vista aérea

Xperia Z2


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Galaxy S5


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Travessia de pedestres

Xperia Z2


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Galaxy S5


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Ponte

Xperia Z2


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Galaxy S5


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Lagoa

Xperia Z2


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Galaxy S5


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Objetos sobre mesa (pouca iluminação natural)

Xperia Z2


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Galaxy S5


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Utensílios de limpeza (pouca iluminação natural)

Xperia Z2


Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Galaxy S5

Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Reprodução/PhoneArena)

Demais detalhes dos competidores


Ademais, tanto o Galaxy S5 quanto o Xperia Z2 são postos em movimento pelo processador Snapdragon 801, o que permite gravar vídeos em resolução 4K (Ultra HD) a estáveis 30 fps (quadros por segundo).

Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Divulgação/Samsung)

Ambos possuem também diversos recursos para trabalhar com o foco em um enquadramento — permitindo, entre outras possibilidades, o chamado “efeito buquê”. É verdade que os nomes próprios diferem — Background Defocus, no caso da Sony, e Selective Focus, no caso da Samsung.
Há também algumas diferenças menores no que se refere aos tratamentos para acrescentar efeitos às fotografias. A Sony, por exemplo, oferece registros rodando a 120 fps, permitindo a criação de vídeos em câmera lenta — evitando que o resultado se pareça com uma projeção de slides. Ademais, o modo Timeshift, que permite escolher os melhores registros em uma sequência, agora também pode ser utilizado durante a gravação de vídeos.

Xperia Z2 vs. Galaxy S5: qual leva a melhor na hora de fotografar? (Fonte da imagem: Divulgação/Sony)

A Samsung, por sua vez, oferece fotografias HDR em tempo real tanto para vídeos quanto para retratos, combinando ainda o tradicional autofoco baseado em contrastes com a tecnologia Phase Detection — o que reduz o tempo de focagem a impressionante 0,3 segundo. Por fim, o Galaxy S5 apresenta uma interface ligeiramente mais organizada e intuitiva do que a do Xperia Z2 — com todos os seus modos arranjados de forma um tanto confusa.

Fonte: PhoneArena


segunda-feira, 14 de abril de 2014

iWatch pode ter tela flexível OLED e custar menos do que se esperava

Previsões e informações sobre o dispositivo especulam seu preço, tipo e tamanho de tela e possível variedade de modelos

iWatch pode ter tela flexível OLED e custar menos do que se esperava(Fonte da imagem: Reprodução/Business Insider)
O tão esperado iWatch da Apple pode ser substancialmente mais barato que o esperado, de acordo com previsões do analista Timothy Arcuri, do grupo financeiro Cowen & Co. Arcuri espera que o produto seja lançado em setembro, a tempo da temporada do Natal, trazendo recursos únicos em comparação aos demais dispositivos vestíveis do mercado.
“Nós continuamos a sentir que este produto vai se diferenciar em relação aos outros produtos vestíveis. Primeiramente, em uma perspectiva de saúde, com um número de inovações-chave que incluem contagem não invasiva de células sanguíneas, medição de pressão e outros recursos para pedestres, como monitoramento de batimentos cardíacos”, disse o analista.
Esses recursos podem convencer seguros de saúde a cobrir parcialmente o custo do dispositivo. “[...] Se pessoas que utilizarem o iWatch da Apple estiverem mais conscientes dos passos que foram dados, calorias queimadas, pressão sanguínea, taxa de batimentos e outros dados biométricos, elas serão levadas a ter vidas mais saudáveis e precisarão de menos cuidados médicos”, comenta Arcuri.
O analista espera que o valor do dispositivo fique por volta de US$ 250 e prediz que a Apple venderá cerca de 18 milhões de unidades em 2015. Segundo o site BGR, outro analista, conhecido por acertar muitos palpites em relação a produtos da Apple, sugeriu que o iWatch viria em diferentes versões, com um top de linha que custaria alguns milhares de dólares.

Rumores sobre display OLED e tamanho da tela

Outra especulação envolvendo o tão esperado relógio inteligente diz que o dispositivo teria um display flexível OLED produzido pela LG. As mesmas informações, vindas do site Naver, do Vietnã, também dizem que o iWatch seria lançado em setembro deste ano.
Os informantes do site falaram que haveriam dois tamanhos de tela: um modelo com 1,3 polegada e outro levemente maior, com 1,5 polegada. Eles afirmam ainda que a Apple estaria com expectativas de venda de 9 milhões de unidades do dispositivo em 2014. 
Fonte: BGRPhone Arena

Adolescente holandesa é presa após fazer ameaça de terrorismo no Twitter

Identificada pelo nome Sarah, a jovem foi encaminhada às autoridades policiais após ter enviado mensagens falsas para o perfil da companhia aérea American Airlines


Adolescente holandesa é presa após fazer ameaça de terrorismo no Twitter(Fonte da imagem: Reprodução/Gizmodo)
Uma adolescente holandesa de 14 anos de idade foi presa neste domingo (13) em sua casa na cidade de Rotterdam após ter enviado para o perfil da American Airlines no Twitter uma série de mensagens em que fingia fazer parte da Al Qaeda e ameaçava estar prestes a realizar um atentado terrorista contra a empresa.
Na manhã do mesmo dia, a garota identificada pelo nome Sarah na sua conta na rede social enviou uma mensagem para o perfil da companhia aérea norte-americana em que afirmava ser um afegão chamado Ibrahim que fazia parte da organização terrorista. No curto texto, a garota dizia ter planos para “fazer algo realmente grande” no dia 1º de junho.
A American Airlines obviamente não achou graça nenhuma na situação e os responsáveis por sua conta no Twitter avisou que iriam entrar em contato com as autoridades. “Sarah, nós levamos esse tipo de ameaça muito seriamente. Seu endereço de IP e suas informações serão encaminhados para nossa segurança e para o FBI”, respondeu a empresa – o que certamente não foi uma ameaça vazia.

O preço da fama
Após ver a resposta da companhia aérea, a adolescente continuou a enviar vários tweets ao longo do dia, alguns demonstrando arrependimento pela piada. A conta de Sarah rapidamente se tornou popular, recebendo milhares de novos seguidores, o que chegou inclusive a incentivar a garota a postar novas mensagens. No entanto, a brincadeira foi levada a sério, a jovem holandesa acabou presa e sua conta no Twitter foi suspensa.
Segundo Wessel Stole, um representante oficial da polícia, o caso está em processo de investigação. “Ainda não chegamos a um ponto em que possamos comunicar qualquer estado das acusações. Nós só achamos que era necessário informar [sobre a prisão] principalmente por essa situação ter recebido tanta atenção na internet”, afirmou.
Esta certamente não é a primeira vez que uma piada de mau gosto nas redes sociais acabou levando seus criadores para encarar a Justiça, mas serve para lembrar que tudo aquilo que você faz na internet pode ter consequências graves na vida “real”. 

Android pode passar em breve por reformulação em sua identidade visual

Telas, que recentemente vazaram na web, revelam mudança significativa de design nos ícones e nas cores da interface do sistema

Android pode passar em breve por reformulação em sua identidade visual(Fonte da imagem: Reprodução/Android Police)
No ano passado, a Apple lançou o iOS 7 trazendo um visual baseado em flat design, tipo de layout que tornou-se muito utilizado em diversas interfaces nos últimos anos. Esse conceito não usa elementos realistas ou que adicionam profundidade. É plano, minimalista e prima por clareza e nitidez. A TouchWiz da Samsung foi outra interface que já adotou a tendência, que pode já ser encontrada no Galaxy S5. O que as imagens abaixo sugerem é que, aparentemente, o Android “puro”também entrará na onda.
De acordo com screenshots recém-vazadas, é possível que o sistema operacional passe por uma grande reformulação de design em seus ícones, seguindo na mesma direção da nova identidade visual web do Google. Os novos ícones parecem inspirados pelo novo padrão iconográfico da empresa, mas eles não são cópias diretas e alguns até apresentam grandes diferenças, tanto para o padrão Google web quanto para o padrão atual do Android.
Android pode passar em breve por reformulação em sua identidade visualComparação entre os ícones do Google web, Android atual e futuro visual (Fonte da imagem: Reprodução/Android Police)
Antes de entrar em maiores detalhes, é preciso dizer que o rumor tem grandes chances de ser real, por se tratar de uma fonte confiável. Porém, não é claro o quão adiantada a companhia está nesse processo de design, o que significa que ela poderia mudar muito da aparência desses ícones até que vejamos a versão final.

Moonshine

Na empresa, o novo estilo visual do Android é referido como “Moonshine”. Suas carcaterísticas-chave incluem ícones em design long shadow e uso de cores geralmente mais contrastadas. Como já mencionado, são similares, mas não idênticos aos ícones web, discrepância que pode causar um pouco de estranhamento.
Android pode passar em breve por reformulação em sua identidade visual(Fonte da imagem: Reprodução/Android Police)
Na imagem acima, é possível ver grandes mudanças nos ícones Play Music, Livros, Filmes e Games, ao lado dos aplicativos Google+, Calendário, Pessoas, Chrome, YouTube, Maps, Gmail, Hangouts, Câmera e Play Store.
Na semana passada, o site Android Police, o mesmo que conseguiu essas capturas de tela,disse que a Google já estaria testando a nova versão do Android 4.4.3, que supostamente seria chamada de KitKat MR2. Se isso tem relação com essa reformulação estética ou não, é algo que só saberemos no futuro. 

iPhone 6: vazam imagens de diagramas técnicos e moldes de produção

identificar bordas em torno da tela relativamente grandes
(Fonte da imagem: Reprodução/Weibo)
Com a aproximação da possível data de revelação dos novos modelos do iPhone, os rumores sobre os aparelhos começam a surgir com maior intensidade. Entre os boatos mais recentes sobre o iPhone 6, muitos deles envolvem detalhes do processo produtivo, trazendo algumas informações conflitantes.
O mais recente vazamento é de imagens que retratam diagramas técnicos, desenhos vetoriais e moldes de produção da carcaça, os quais seriam da Foxconn — uma das parceiras chinesas da Apple na fabricação de seus gadgets.
As capturas foram veiculadas na rede social Weibo e, infelizmente, não revelam muita coisa. A baixa resolução de imagem, o nível de detalhamento técnico e o idioma dos conteúdos dificultam o entendimento completo do projeto. O que é possível perceber, se as fotos forem autênticas, é a presença de bordas relativamente grandes nas laterais do display.
Em suma, essa é a única especulação possível com as atuais imagens vazadas. Inclusive, é difícil determinar se esses esquemas técnicos e moldes são do modelo de 4,7 polegadas ou do de 5,5 polegadas. Porém, como a previsão de produção do dispositivo iPhone 6 maior (que pode ser na verdade de 5,7 polegadas) foi adiada para setembro, a lógica seria que esse conteúdo é da edição menor — que tem previsão de início de produção para junho.
Fonte: WeiboG 4 Games


Documento secreto revela que Android foi projetado sem suporte à tela touch

Escrita em 2006, uma das primeiras versões do requisito funcional do sistema descartava uso de telas sensíveis ao toque para navegação

Documento secreto revela que Android foi projetado sem suporte à tela touch(Fonte da imagem: Reprodução/Bol )
Suporte a telas sensíveis ao toque era algo que não fazia parte do sistema operacional Android antes de a Apple revelar o primeiro iPhone em 2007. A última disputa legal entre a Samsung e a Apple truxe novas revelações sobre a história do SO da Google, informações vindas do — altamente confidencial — Requisito Funcional de Software Android, de 6 de julho de 2006.
O documento, feito com intuito de informar os fabricantes de hardware sobre a plataforma, diz explicitamente que o Android na época exigia um teclado numérico físico e não oferecia estrutura necessária para funcionar em aparelhos com telas touch.
“Telas sensíveis ao toque não serão suportadas”, escreveu a Google no documento de especificação para dispositivos Android. “O produto foi desenvolvido tendo como hipótese o uso de discretos botões físicos. No entanto, não há nada essencial na arquitetura do produto que impeça o suporte a telas touch no futuro.”

Revendo conceitos

Em apenas um ano, houve uma alteração de curso na descrição proposta pelo documento. O mesmo evoluiu da versão 0.91 para ser finalizado na 1.0. Ali, o requisito funcional do Android sofre uma mudança drástica.
O artigo 3.11.2 do Requisito Funcional de Software Android versão 1.0, de 10 de novembro de 2007 diz o seguinte: “Uma tela sensível ao toque para navegação digital — incluindo capacidades multitouch — se faz necessária. A navegação com caneta Stylus não é suportada.” Obviamente, esta transformação acontece apenas após o lançamento oficial do primeiro iPhone da Apple.
Documento secreto revela que Android foi projetado sem suporte à tela touch(Fonte da imagem: Reprodução/Phone Arena)
Esses documentos iniciais do Android mostram muitos detalhes extremamente curiosos, como o fato de o sistema ter sido planejado para usar o sistema de arquivos da Microsoft FAT32. Isso, mais tarde, poderia causar diversos problemas legais para as empresas fabricantes de hardware e forçá-las a pagar enormes quantias de impostos de licenciamento.
Ambas as versões do documento citadas aqui podem ser conferidas nos links a seguir — lembrando que estão em inglês, idioma original no qual foram redigidas: versão de 2006 e versão de 2007.
Fonte: Phone Arena


Windows Phone 8.1 estará disponível dia 14 de abril

Prévia para desenvolvedores estará disponível na mesma para todos os usuários
Windows Phone 8.1 estará disponível dia 14 de abril
Revelada durante a conferência Microsoft Buildnesta semana, a atualização para o Windows Phone 8.1 tem previsão de ser entregue aos desenvolvedores da plataforma pela companhia ainda em abril. De acordo com o site The Verge, isso deve acontecer no dia 14 deste mês.
Com o programa de prévia para desenvolvedores da Microsoft para Windows Phone, donos de aparelhos com o sistema operacional não dependem das operadores para poder baixar as últimas atualizações, podem realizar a operação por meio do aplicativo. Apesar de o programa ter sido feito com os desenvolvedores em mente, qualquer pessoa poderá realizar o upgrade para o Windows Phone 8.1 por meio do processo.
Entre as novidades da atualização encontram-se um novo centro de notificações, a introdução da assistente digital Cortana (análoga à Siri do iOS) e outras mudanças na interface do sistema operacional. Qualquer pessoa com um aparelho com Windows Phone 8 poderá baixar a nova atualização quando ela sair.
Fonte: The Verge


Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?

Descubra quais os tipos de planos que se encaixam melhor em seu perfil de utilização do telefone celular
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: iStock)
Hoje, o Brasil conta com quatro gigantescas operadoras de telefonia celular — além de algumas empresas de menor abrangência que agem em regiões mais limitadas do território.  Mas você sabe dizer qual delas oferece as melhores vantagens para o seu perfil de consumo? Tudo depende de como você se comporta com os aparelhos portáteis.
Além de analisar as operadoras, você precisa saber também se consegue trabalhar melhor com planos pré-pagos ou pós-pagos, uma vez que esse fator também interfere muito. Há casos em que os pós-pagos podem ser muito mais baratos do que os pré-pagos, mas tudo recai sobre uma série de análises que todo consumidor deve fazer antes de contratar um plano.
Está curioso para saber mais sobre isso? Então confira os nossos comparativos e descubra se o seu perfil de consumo se encaixa melhor em um plano de telefonia com créditos pré-pagos ou se você pode assinar um pós-pago sem medo. Também trouxemos alguns comparativos com os planos de controle, que funcionam com “contas limitadas” para os clientes.

Como descobrir o que é melhor?

Antes de assinar qualquer plano com alguma operadora, você precisa pensar muito bem em como utiliza os aparelhos. Por isso, nós vamos fazer algumas rápidas perguntas que você deve avaliar com cautela para descobrir qual é o tipo perfeito de pacote que pode ser contratado com as operadoras de sua preferência. Quanto eu vou usar para efetuar ligações? Eu preciso de ligações ilimitadas para a mesma operadora? Eu preciso de SMS ilimitado? Qual a quantidade de dados que eu navego?
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: iStock)
Se você utiliza o aparelho para fazer ligações com muita frequência, é preciso ter em mente que isso é o que mais pesa no orçamento. Algumas operadoras oferecem promoções especiais para quem efetua ligações para aparelhos que também são clientes. Por exemplo, em um plano pré-pago da TIM, a ligação para outro celular da TIM custa apenas R$ 0,25, independente da duração.
A Oi também oferece descontos desse tipo e cobra apenas R$ 0,10 nas ligações entre aparelhos da própria operadora. Claro e Vivo não contam com promoções diárias desse tipo, mas a Vivo está trazendo um novo pacote chamado Vivo Tudo, que custa R$ 6,90 por semana e oferece 300 minutos de voz e SMS ilimitado para celulares da operadora e mais 75 MB de dados.

Eu preciso de um pós-pago?

Se você usa muito o seu aparelho, um plano pós-pago pode ser realmente interessante. Mas para isso é preciso saber se você pode usar tudo o que o plano oferece. Vamos fazer algumas contas bem rápidas e utilizar as quatro operadoras para saber quando é que realmente vale a pena assumir o compromisso com um plano de conta do seu ceular.
Veja os limites de cada uma e pense bem em quanto você gastaria. É importante pensar em quem são as pessoas com que você mantém mais contato e também o quanto você quer gastar. Planos pós-pagos oferecem mais franquia de dados e ligações para outras operadores, mas você usa isso? Confira algumas rápidas comparações.

Tim

Em um plano pós-pago, é possível pagar R$ 87,80 e ter mensagens ilimitadas, 300 MB de acesso à internet, ligações ilimitadas para a Tim e 50 minutos para outras operadoras. No pré-pago, esse valor permitiria 30 dias de Torpedos+Web (30 dias x R$ 0,75 ao dia = R$ 22,50) e ainda deixaria R$ 65 para ligações — o que seria gasto com 40 minutos de ligações para outras operadoras ou 260 chamadas para Tim.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Vivo

Em um plano pós-pago, é possível pagar R$ 109 e ter mensagens ilimitadas, 2 GB de acesso à internet, ligações ilimitadas para a Vivo e 100 minutos para outras operadoras. No pré-pago, essa quantia garantiria quatro semanas de pacote Vivo Tudo (R$ 27,60) e sobrariam R$ 81,40 — o que seria gasto com 45 minutos de ligações ou 1.600 mensagens para outras operadoras.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Claro

Em um plano pós-pago, é possível pagar R$ 49 e ter mensagens ilimitadas, 300 MB de acesso à internet, ligações ilimitadas para a Claro — com adicional de R$ 1,02 por minuto para outras operadoras . No pré-pago, esse valor permitiria 30 dias de Torpedos (30 dias x R$ 0,60 ao dia = R$ 18), 30 dias de Web (30 dias x R$ 0,60 ao dia = R$ 18) e ainda deixaria R$ 13 para ligações para qualquer operadora.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Oi

Em um plano pós-pago, é possível pagar R$ 39 e ter ligações ilimitadas para a Oi e 50 minutos para outras operadoras — com fidelização de 12 meses. No pré-pago, esse valor permitiria 30 dias de Oi Galera (30 dias x R$ 0,75 ao dia = R$ 22,50) e ainda deixaria R$ 16,50 — o que seria gasto com 9 minutos de ligações para outras operadoras.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

SMS e internet

Os planos pré-pagos dificilmente oferecem um grande volume de dados para os consumidores, mas isso deve começar a mudar. A TIM oferece alguns pacotes que variam de R$ 0,60 (10 MB para navegação) até R$ 1,99 (80 MB) diário, sendo que ainda há algumas opções com SMS ilimitados para qualquer operadora — também por R$ 0,60 por dia utilizado.
Na Vivo, os planos pré-pagos oferecem pacotes de internet em diversas modalidades. Quem escolher o pacote diário pode pagar R$ 0,99 para usar até 15 MB de dados, enquanto o plano semanal custa R$ 2,90 e oferece 40 MB aos consumidores. Há também opções mensais por R$ 9,90 e 200 MB de tráfego. A operadora não conta com pacotes de SMS e internet juntos, sendo que o custo de mensagens ilimitadas para os assinantes é de R$ 0,99 ao dia.

Pacotes: tudo em uma coisa só

Além de gastar créditos com ligações, os clientes das operadoras também podem aproveitar uma série de promoções que oferecem pacotes de SMS, internet e voz por preços mais baixos do que seria gasto em separado. Esse tipo de contratação é bem interessante para quem tem muitos amigos que utilizam aparelhos da mesma operadora.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: iStock)
A Oi apresenta o “Oi Galera”, que oferece 530 torpedos (sendo 500 para a própria operadora), 10 MB de navegação e ainda mais 60 minutos de ligações para celulares ou fixos da mesma operadora. Isso custa apenas R$ 0,99 por dia. Outra operadora a fazer algo similar é a Vivo, mas com o pacote semanal Vivo Tudo. Por R$ 6,90, os clientes podem ter 300 minutos para Vivo, 75 MB de navegação e mensagens ilimitadas para Vivo.
Claro e Tim não oferecem pacotes desse tipo para seus clientes, mas trazem promoções diárias para mensagens ilimitadas e acesso à internet. Na Claro, SMS sem limitações e acesso às redes móveis de internet custam R$ 0,60 por dia, cada um. Na Tim os valores são os mesmos, mas há a opção de assinar o pacote “Torpedos + Web”, que dá descontos e pode custar apenas R$ 0,75 — com limitação de 10 MB de tráfego.

Para quem não desgruda das mensagens

Enviar mensagens de texto é algo que pode sair caro para os assinantes de planos pré-pagos. Na Vivo, por exemplo, uma SMS avulsa pode custar até R$ 0,45 — custando R$ 0,05 para outras operadoras quando os pacotes Vivo On ou Vivo Tudo estão ativos, que tornam ilimitados os torpedos para aparelhos da mesma empresa. Na TIM e na Claro, o valor é o mesmo: R$ 0,60 com mensagens ilimitadas para qualquer operadora.
A Oi não oferece planos de SMS ilimitados, mas vende pacotes com torpedos em diversos valores. É possível comprar 10 mensagens por R$ 2,00, 30 por R$ 3,00, 50 por R$ 4,00 ou 100 por R$ 5,00. Nesse último caso, a mensagem de texto da Oi acaba custando o mesmo do que custam as da Vivo em alguns pacotes já mencionados.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: iStock)
Por essa razão, o melhor para quem não consegue desgrudar das mensagens de texto é partir para operadoras como a Tim ou Claro, caso queira manter planos pré-pagos. A Vivo e a Oi nesse caso acabam sendo rentáveis apenas para os clientes que têm muitos contatos na mesma operadora.
Em relação aos planos pós-pagos, os torpedos ilimitados para qualquer operadora podem acabar sendo mais baratos do que seriam no pré. Na Tim, o pacote desse tipo custa R$ 12,90 e garante SMSs para qualquer operadora. O mesmo se aplica à Oi, que cobra R$ 12,00 pelo serviço. Na Claro e na Vivo, todos os planos pós-pagos incluem mensagens de texto sem limitações.

Planos controle: encaixando no orçamento

Já faz alguns anos que as operadoras brasileiras oferecem planos controle para os consumidores. Eles são pós-pagos, mas contam com valores fixos para evitar surpresas na hora da fatura e não demandam a recarga constante. Apesar disso, os clientes podem comprar créditos para continuar falando após o esgotamento das franquias. Nessa modalidade, quem leva vantagem é quem usa muito o aparelho para ligar para a mesma operadora.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: iStock)
Na Vivo, esses planos podem ser bem interessantes. Por R$ 51,90, é possível fazer ligações e enviar mensagens ilimitadas para aparelhos Vivo, além de navegar com 500 MB e ainda gastar R$ 20 para SMS e ligações com outras operadoras. Na Claro, por R$ 49,90 há 350 MB de dados e R$ 29,90 para outros usos.
Com a Oi, por R$ 29,90 há 530 mensagens (500 para Oi) e 5 MB de navegação por dia, além de ligações ilimitadas para Oi e R$ 10,90 para serem gastos de qualquer maneira. A Tim cobra R$ 32,90 e oferece ligações ilimitadas para a mesma operadora. Nos planos controle, as operadoras mantêm os mesmos pacotes de mensagens e dados que existem nos sistemas pré-pagos.

SMS ou WhatsApp?

Recentemente, nós publicamos uma notícia aqui no Tecmundo mostrando que as operadoras de telefonia celular de todo o mundo deixaram de ganhar 30 bilhões de dólares em 2013, por causa da ampla adesão dos usuários aos aplicativos como o WhatsApp. Mas será que para os consumidores brasileiros vale a pena deixar de enviar mensagens de texto para ficar somente com o software?
Assim como na hora de decidir se vale a pena um plano pós-pago ou pré-pago, nesse caso você precisa avaliar muito bem quais são os tipos de contatos que você mantém. Os amigos com que você mais conversa estão conectados à internet com frequência? Se sim, a contratação de pacotes de dados pode ser mais interessante do que a de mensagens de texto — ainda mais porque não há limitações quanto às operadoras em WhatsApp, Viber e afins.
Comparativo: qual é mais caro, o plano pré-pago ou o pós-pago?(Fonte da imagem: iStock)
Também é preciso lembrar que a internet pode ser usada para outros fins e não é limitada aos apps. Mas você precisa ver quais são os pacotes de dados que assina em seu plano. Grupos no WhatsApp podem causar um grande fluxo de informações e isso pode “comer” o seu pacote em pouco tempo — confira aqui algumas dicas de como fazer para isso não interferir tanto no seu tráfego.
Por essas razões, é bom pensar bem em qual o tipo de utilização que se adequa melhor às necessidades de cada dia. Planos pré-pagos permitem bastante liberdade nesse sentido, pois você pode utilizar a internet em um dia, mensagens ilimitadas (em operadoras que permitem descontos nesse caso) em outros e até mesmo os dois quando necessário.
.....
Como você pode perceber, não é possível dizer que um plano é o melhor de todos porque existem diversas variáveis que devem ser levadas em consideração. Cada pessoa possui um grupo de contatos com que mais fala e a operadora dessas pessoas influencia muito em qual será a opção mais barata e rentável. Além disso, o perfil de consumo também interfere muito nesses casos.
O que fica bem claro é que planos pré-pagos continuam sendo os mais indicados para quem usa o celular para mandar mensagens e acessar a internet, deixando as ligações apenas para casos emergenciais — ou então para quem tem muitos amigos na mesma operadora. Por outro lado, as ligações ainda são mais baratas para quem assina planos pós-pagos e também para quem precisa de grandes pacotes de dados.
Por isso, nossa maior dica é: estude bem as suas necessidades e pense em qual a melhor forma de aproveitar o seu aparelho. Assim, você saberá exatamente como otimizar os seus gastos e evitar a assinatura de planos que oferecem muito mais do que você utiliza. Já sabe qual será o seu próximo plano de telefonia celular?
Fonte: TimVivoOiClaro,tecmundo